Ibama multa agricultores de Casa Nova

Agricultores do município de de Casa Nova, no norte da Bahia, que foram multados pelo Ibama após abrirem canais no Rio São Francisco sem licença ambiental para irrigar plantações permanecem utilizando os canais clandestinos e esperam um acordo para que não possam ter que pagar o valor definido pelo órgão.

As multas foram aplicadas em agosto a 20 agricultores — cada um deles multados em R$ 50 mil — após os canais serem abertos pela associação de produtores rurais da região. O Ibama disse, à época, que os canais abertos poderiam causar o assoreamento do leito, poluição e contaminação da água, e ainda provocar desperdício. O órgão, no entanto, não interditou os canais.

Os trabalhadores dizem que não tem intenção de prejudicar o meio ambiente, mas apenas de salvar as plantações diante da seca que atinge a região. “Eu não tenho condições de pagar essa multa. Estou com 53 anos de idade e nunca vi esse dinheiro na minha mão”, disse uma mulher que trabalha na região.

A Agência Municipal do Meio Ambiente de Casa Nova informou que entrou com uma defesa administrativa para tentar converter a multa aplicada aos agricultores em algum tipo de prestação de serviço para compensação ambiental. O superintendente Isael Amaral afirma que aguarda uma audiência com o Ministério do Meio ambiente. “Esperamos essa audiência em Brasília para que, juntamente com o representante do município, o prefeito faça essa homologação do acordo”, destacou.

Depois da ação do Ibama, os agricultores começaram a ser orientados pelos fiscais da agencia municipal do meio ambiente. “A gente vai precisar regulamentar esses canais. Os agricultores vão precisar levar até a Agência Municipal do Meio ambiente um projeto que informe o que vai acontecer com o meio ambiente”, destacou o fiscal ambiental José Pedro de Oliveira.

Edmilson Torres é outro agricultor que foi multado e que diz não ter condições de realizar o pagamento. “A gente não tem intenção de dar prejuízo ao meio ambiente. Pelo contrário, a gente quer é preservar”, destaca.

Por: G1-BA