Gestores culturais debatem nova conjuntura política cultural em plenária realizada em Juazeiro

Por Paulo Carvalho/SECJU 


Em plenária do Conselho Estadual de Cultura (CEC) realizada em Juazeiro, na última quinta-feira, 16, no Centro de Cultura João Gilberto, diversos organismos culturais e representações da cultura nacional, do estado e do município debateram a atual conjuntura política da Cultura no país, com reflexos no Estado e nos municípios baianos.


O Conselho Estadual de Cultura também discutiu as políticas culturais implantadas no estado, os impactos da extinção do Ministério da Cultura (MinC) e os próximos passos frente ao atual cenário político do Brasil. Parte da classe artística de Juazeiro se fez presente, além de movimentos ligados à cultura local e o Conselho Municipal de Cultura (CMC). Diversos temas foram explorados e aprofundados pelos palestrantes, visando uma interação maior com todos os participantes do encontro.


Com música e animação, o grupo Kidé Falaê, de Juazeiro, iniciou a programação, que além de contar com a presença dos conselheiros de, pelo menos, três territórios baianos (Sertão do São Francisco, Piemonte Norte do Itapicuru e Itaparica), também contou com a participação de artistas e agentes culturais locais e com um debate com o ex-gestor de políticas culturais do MinC, Pedro Vasconcellos.


Vasconcellos contextualizou as políticas culturais executadas no país nos últimos 13 anos mostrando a importância da descentralização da atual gestão do Conselho, que estabelece um rico diálogo entre a capital e o interior. “Essa energia da diversidade cultural brasileira, as reflexões que foram fortalecidas e tiveram visibilidade se devem ao ciclo econômico e social que o Brasil experimentou nos últimos anos”, pontuou Vasconcellos.


Houve ainda um debate com integrantes do Conselho Estadual, sobre sistemas de cultura no âmbito estadual e municipal falando sobre a importância de fortalecer as políticas culturais no interior da Bahia. “Foi um dia de intensa mobilização a favor da Cultura em todo o estado, e principalmente em Juazeiro”, avaliou o presidente do Conselho Estadual de Cultura, Márcio Ângelo Ribeiro.


O secretário de Cultura e Juventude de Juazeiro, Donizete Menezes, destacou a importância da plenária do CEC sobre o momento atual em que passa a cultural nacional, e principalmente por ser em Juazeiro este encontro, um dos berços da cultura baiana e brasileira, “onde é preciso um olhar mais aprofundado e reflexivo sobre as políticas culturais que almejamos”, ressaltou.


O secretário também destacou a importância dos Conselhos municipal e estadual de Cultura para fomentar as práticas artísticas e culturais no interior do estado; fez um apanhado sobre as últimas intervenções da SECJU no município, e deixou o convite para o 1º Festival de Teatro Wellington Monteclaro, que será realizado entre os dias 7 e 10 de julho, no Centro de Cultura João Gilberto.


(Com a colaboração de Victória Resende, estagiária de Comunicação/SECJU)

Nenhum comentário:

Regras do site
Não serão aceitos comentários que:
1. Excedam 500 caracteres com espaço;
2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;
Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;
4. Não tenham relação com a nota publicada pelo site.
Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.

Tecnologia do Blogger.