Maurício Barbosa apresenta sistema pioneiro de segurança da Bahia para deputados federais

Pioneiro no Brasil, o sistema de reconhecimento facial e leitura de placas implementado na Bahia foi apresentado na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara de Deputados nesta quarta-feira (24). O secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa, mostrou como funcionam os equipamentos e os resultados alcançados no encontro realizado em Brasília.

No sistema, câmeras espalhadas no Aeroporto, Rodoviária de Salvador, Metrô, Arena Fonte Nova, entre outros pontos, auxiliam os trabalhos ostensivo e investigativo. No Carnaval de Salvador, o sistema identificou um suspeito que possui mandado de prisão em aberto.

"Fechamos o primeiro trimestre na capital baiana com 15,4% de redução de homicídio, latrocínio e lesão dolosa seguida de morte. Posicionamos tropas e iniciamos apurações a partir de movimentações suspeitas flagradas pelo equipamento", contou Barbosa. Durante discurso, o caso do homem acusado de homicídio flagrado no Carnaval 2019 foi lembrado. "Não adiantou se vestir de mulher. Acabou preso", completou Barbosa.

Com relação ao sistema de Leitura de Placas, o secretário salientou a diminuição de 18,6% dos roubos de veículos em Salvador. "Do nosso Centro de Operações e Inteligência acionamos as viaturas mais próximas de carros ou motos com restrições, flagrados pelo nosso equipamento. Abordamos e efetuamos o flagrante", explicou Barbosa.

O secretário concluiu enfatizando a importância do Brasil se unir no combate ao crime e trabalhar em rede. "Precisamos avançar em tecnologia e ampliar a troca de informações, fortalecendo as forças de segurança", concluiu.

BN

Nenhum comentário:

Regras do site
Não serão aceitos comentários que:
1. Excedam 500 caracteres com espaço;
2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;
Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;
4. Não tenham relação com a nota publicada pelo site.
Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.

Tecnologia do Blogger.