Morador revoltado com corte de energia retira escada de técnico e o deixa pendurado em poste

Um morador revoltado por ter a luz da sua residência cortada acabou colocando em risco a vida de um técnico da concessionária de energia do Pará. Enquanto o trabalhador estava no alto do poste fazendo o serviço, o morador da cidade de Barcarena, a 114 km de Belém, retirou a escada onde ele se apoiava, o deixando pendurado apenas por um cinto de segurança.
O caso aconteceu na última segunda-feira (29). Um segundo funcionário da Centrais Elétricas do Pará (Celpa) não conseguiu socorrer o técnico pendurado. A reação inusitada do morador foi criticada pelo repórter Carlos Baía, morador da cidade. Apesar de afirmar que o morador argumentou que estava com a conta em dia, ele considera a ação perigosa. “Não é pra rir, o caso é preocupante e com apimentada irresponsabilidade de quem não pensou nas consequências”, comentou.
Para ele, nada justifica a atitude do morador. “Que o consumidor estava revoltado com o fato isto é notório. Mas, por outro lado, tentando buscar de forma incorreta seus direitos, poderia causar a morte de um pai de família, que ali cumpria apenas ordens superiores. Se este cidadão cai, bate a cabeça e falece? Se cai e fica com problemas físicos ou mentais? Se este é eletrocutado durante a ação revoltosa do consumidor?”, publicou nas redes sociais. Ele reforça que, se o consumidor estava com a conta em dia, deve processar a Celpa.

Resposta

A Celpa se manifestou sobre o caso por meio de nota. A empresa alegou que “repudia repudia todo e qualquer ato de violência, assim como ações que venham a colocar em risco a vida de pessoas que estão atuando na prestação de serviços em todo o Estado”.
“Sobre a referida situação, a concessionária está acompanhando junto às autoridades as apurações e tomará as medidas legalmente cabíveis para que práticas desta natureza sejam coibidas”, acrescenta a nota.
*Com informações do portal Bhaz

Nenhum comentário:

Regras do site
Não serão aceitos comentários que:
1. Excedam 500 caracteres com espaço;
2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;
Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;
4. Não tenham relação com a nota publicada pelo site.
Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.

Tecnologia do Blogger.