Sapeaçu: Prefeito será julgado por dizer que médico se aproveita para ver p* de pacientes

Um processo no mínimo inusitado vai ser julgado pela Comarca de Sapeaçu, no Recôncavo. É que o Um processo no mínimo inusitado vai ser julgado pela Comarca de Sapeaçu, no Recôncavo. É que o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) remeteu em decisão desta sexta-feira (24) um processo contra o prefeito George Vieira Gois por perda de foro especial [o foro privilegiado]. O fato não tem relação nenhuma com a gestão. Doutor George, como o prefeito é conhecido, é acusado de “difamar” outro médico ao espalhar áudios em redes sociais sugerindo que a vítima se aproveita da condição de urologista para “ver o pinto dos pacientes”.

O prefeito ainda teria dito que o profissional “não se assume e fica se aproveitando que é urologista para ver o pinto dos homens”, além de afirmar que “ não tem nada contra homossexuais mas ele tem que se assumir” e, por fim que “ ele é uma bicha velha”. Desde maio do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os gestores só tem direito a foro especial quando as acusações se referem ao mandato em vigor.(TJ-BA) remeteu em decisão desta sexta-feira (24) um processo contra o prefeito George Vieira Gois por perda de foro especial [o foro privilegiado]. O fato não tem relação nenhuma com a gestão. Doutor George, como o prefeito é conhecido, é acusado de “difamar” outro médico ao espalhar áudios em redes sociais sugerindo que a vítima se aproveita da condição de urologista para “ver o pinto dos pacientes”.

O prefeito ainda teria dito que o profissional “não se assume e fica se aproveitando que é urologista para ver o pinto dos homens”, além de afirmar que “ não tem nada contra homossexuais mas ele tem que se assumir” e, por fim que “ ele é uma bicha velha”. Desde maio do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os gestores só tem direito a foro especial quando as acusações se referem ao mandato em vigor. Fonte BN

Nenhum comentário:

Regras do site
Não serão aceitos comentários que:
1. Excedam 500 caracteres com espaço;
2. Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;
Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.
É qualquer ofensa à dignidade de alguém. Na injúria, ao contrário da calúnia ou difamação, não se atribui um fato, mas uma opinião. O uso de palavras fortes como "ladrão", "idiota", "corrupto" e expressões de baixo calão em geral representam crime. A injúria pode fazer com que a pena seja ainda maior caso seja praticada com elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem.
3. Sejam agressivos ou ofensivos, mesmo que de um comentarista para outro; ou contenham palavrões, insultos;
4. Não tenham relação com a nota publicada pelo site.
Atenção: só serão disponibilizados no site os comentários que respeitarem as regras acima expostas.

Tecnologia do Blogger.